O Bom Pastor (The Good Shepherd – Robert De Niro, 2006)

O BOM PASTOR 2O BOM PASTOR 4O BOM PASTOR 1

Boas surpresas ainda podem provir do cinema megalomaníaco e previsível da atualidade, e O Bom Pastor é um alento desses de que eu precisava para voltar a encarar a prateleira de lançamentos com menos temor. Robert DeNiro dirige esse drama confundido com suspense, que prima pelo interior de sua personagem-foco, assim como desmantela coisas interessantes da CIA – projeto típico de um roteiro de Eric Roth (Munique – por mais que seja vendido como algo a que dá pouca atenção (feliz ou infelizmente): a preocupação familiar e as relações extra-profissionais. Como fizera em Munique, Roth enche o filme de subtramas, mas que têm um peso tanto para o jogo curvo de espionagem, como para o psicológico do personagem de um Matt Damon cada vez mais eficiente, sério e que corre numa linha oposta à de Nicolas Cage, por exemplo (aparecer num mesmo estilo de filmes, porém, sem cansar o espectador com a sua aparência). Até porque a direção de Robert DeNiro serve as idas e vindas, nos tempos de II WW / Guerra Fria, sem dar muita velocidade ou suspense às cenas, bem como Edward Wilson encarou a sua situação: calado e atento ao que lhe circundava (não creio que cai tanto num jeito do Scorsese, não chega a ser uma direção “oh”, porém tem jogadas bem legais como a quando ele filma o professor inglês do Michael Gambon narrando a poesia copiada). Sendo assim, o maior acerto de O Bom Pastor é dar o valor devido a essas sub-tramas, nunca alargando-as exageradamente (tanto que as aparições de Jolie, fracas, são poucas de choradeira), nem as desprezando facilmente (a paixonite inicial e o arrependimento futuro de Edward no romance com a surdinha).

O diálogo do italiano com Edward Wilson e a cena do Natal são dois dos melhores momentos de um ator que vem caindo em descrédito e tenta ressurgir detrás das câmeras. Robert DeNiro pode fazer um filme parado (e a trilha sonora da dupla Zavos & Bruce Fowler prejudica a visão que se tem deste termo), mas jamais desinteressante, por resgatar a valorização do auto-entendimento do espectador e sua atenção presa aos tempos mais importantes do filme (entretanto, ele não precisa colocar o esquemático “pisque e perca” de Stephen Gaghans da vida). O aspecto positivo do roteiro, logo, está associado à direção, o que mostra uma leitura habilidosa de DeNiro. Há, entretanto, levantamentos negativos, principalmente no encontro de tempo esperado – o momento de 1961 ao qual o filme tanto se lançava e as gravações audiovisuais num hotel africano -, deixando em dúvida a real necessidade das interferências nos momentos inicias do episódio. Bem como a veia familiar de Edward Wilson; Angelina Jolie dá os esperneios e Eddie Redmave tem lances imaturos demais – eu queria socá-lo a todo momento, sem saber o porquê -, a evolução temporal é mal distribuída até pelas características técnicas do filme (a maquiagem só presta na cena em que o verdadeiro russo refugiado aparece) e fiquei com uma sensação um tanto quanto esquisita enquanto corriam os créditos (mais uma vez, sob uma péssima colocação inicial de trilha, desfazendo qualquer vontade de continuar a meditar diante a tela).

Resumidamente, O Bom Pastor não traz toda a velha vontade em correr aos cinemas para assistir a um novo suspense envolvendo sociedades secretas e afins, mas revela que, apesar de poucas, há ainda iniciativas valorizáveis nesse gênero na contemporaneidade.

3/4

Cassius Abreu 

2 Comments

Filed under Comentários

2 Responses to O Bom Pastor (The Good Shepherd – Robert De Niro, 2006)

  1. Nelvair Fernando

    Nem sabia que o Robert tinha dirigido algum filme, boa pedida para o final de semana, parabéns pelo blog!!!!!

  2. Olá, gostei muito de seus artigos, gostaria de te convidar para partipar de uma rede de troca de conteúdo, para mais detalhes me adiciona no msn co_herdeiro@hotmail.com ou me manda um email ok, ou ainda veja mais detalhes em http://www.ocasional.com.br/howto.aspx Abraços. Samuel