A Casa dos Maus Espíritos (William Castle, 1958)

Pois é, enquanto o nosso editor-chefe mergulha profundamente nos giallos e seus realizadores italianos, eu vou mais fundo na história do terror e mergulho nos clássicos filmes B produzidos na era de ouro do cinema fantástico (além é claro do grande realizador nacional José Mojica Marins).

Antes do slasher ser apresentado ao cinema por Mario Bava com seu Banho de Sangue, antes dos giallos italianos serem sinônimos de terror e suspense cinematográfico, antes do slasher ser apropriado pelos norte-americanos na década de 80, tivemos uma outra época de ouro para o gênero. Nas décadas de 50 e 60, através de estúdios menores (como a Allied Artist, Hammer ou a Amercian International Pictures), cada um com os seus atores-chaves (como Peter Cushing para a Hammer, ou Vincent Price para a Allied), diretamente oriundos do cinema B, com orçamentos e cronogramas apertadíssimos, mas uma criatividade intensa, vários realizadores como William Castle, Roger Corman e Richard Mathelson, conseguiram produzir filmes interessantíssimos, que influenciaram (e influenciam) muito do que é feito no gênero até hoje.

Um dos gêneros mais explorados no subgênero de horror nessa época eram as “casas assombradas por espíritos malígnos”. Dentro desse sub-gênero, que se iniciou no final dos anos 50 e que, mesmo um pouco “fora de moda” nos dias de hoje, teve representantes significativos (como Poltergeist, de Tobe Hooper, e O Iluminado, de Stanley Kubrick), um dos maiores representantes é sem sombra de dúvida é House of the Haunted Hill, protagonizado pelo ator-símbolo Vincent Price.

Uma das coisas mais interessantes nesse filme (e que é comum em várias obras desse gênero) é a realização de um suspense constante e totalmente satisfatório através de um roteiro comum, mas que explora todas as características do gênero, aliados a direção segura de William Castle, além do uso habitual e eficiente da fotografia escura, da trilha naturalmente opressiva e ambientação sóbreia, proporcionando um horror psicológico, subjetivo ao filme. Mas o maior trunfo do longa se chama Vincent Price. O sua interpretação shakesperiana, aristocrática, que imprimia aos seus personagens, se mostrava perfeito para as produções B do gênero. E aqui não foi diferente.

Mas tudo isso não levaria o filme a ser um dos maiores sucessos de bilheteria na época se não fosse a campanha maçica de marketing imprimida por Castle (que também era produtor do longa). Provávelmente um dos primeiros a aplicar uma agressiva campanha de marketing no mundo do cinema, Castle utilizou um dispositivo especial para assustar o público nas salas de exibição, um sistema batizado de “Emergo”, que consistia num esqueleto humano iluminado movimentado por um complexo mecanismo de polias, cordas e correias, que era arremessado por cima das pessoas justamente na cena do filme onde um esqueleto emergia de um tanque de ácido. Em vários outros filmes ele se utilizou dessa abordagem agressiva, para promover uma maior interação entre o espectador e a obra exibida, com truques que, apesar de serem de execução simples e, até certo ponto, rudimentares, alcançavam o seu objetivo.

Após quase 50 anos após a sua realização, o filme soa, em certos momentos, datado, especialmente pela interpretação teatral (que era comum nos filmes da época) dos atores. Entretanto, ao percebermos que muitos dos filmes atuais do gênero se utilizam de litros e litros de sangue e vísceras para transportar o espectador numa atmosfera de medo e pavor (antes que me tacam pedras, não tenho nada contra os slashers. Só que nem sempre é a melhor opção), é sempre bom olharmos para os pioneiros, e perceber que o terror não necessáriamente precisa dos tons rubros para a sua realização, basta uma boa ambientação e um controle do ritmo da história a ser contada.

Pressinto que esse será apenas a primeira de muitas resenhas desse gênero.

3/4

Adney Silva

1 Comment

Filed under Resenhas

One Response to A Casa dos Maus Espíritos (William Castle, 1958)

  1. Eu consideraria A CASA DOS MAUS ESPIRITOS o filme mais divertido que já vi, junto com BIG.