Morte em Veneza (Luchino Visconti, 1971)

Gustav von Aschenbach é um músico determinado a fazer de sua obra a busca incessante pela perfeição. A criação da beleza é, não somente o objetivo, quanto todo caminho. Mas segundo um amigo de Aschenbach a beleza não pode ser criada, ela simplesmente existe. E assim sendo seria a busca de Aschenbach algo totalmente vão – e, por sua vez, sua vida. A visita com propósitos de descanso à Veneza revelará para Aschenbach a mais terrível das surpresas: a beleza personificada. E com ela a obsessão apaixonada, um amor impossível, a decadência gradativa e a finitude do ser.

Luchino Visconti realiza uma obra verdadeiramente irretocável. É possível notar o cuidado absoluto de Visconti em cada plano do filme, em cada movimento concebido exaustivamente (nos extras do DVD há um breve documentário sobre o trabalho do diretor), o que torna Visconti o maior esteta que já pisou na Terra e os planos de Morte em Veneza ainda mais impressionantes que de outro filme que prima pela tal beleza, Barry Lyndon. E com o filme de Kubrick este guarda uma semelhança feliz: o uso do zoom. Visconti não ousa aproximar sua câmera de seu personagem e ele nos coloca na posição de voyeur (mesma do personagem diante do mundo ao redor), quebrando a observação geral para nos aproximarmos relativamente de Aschenbach. Mas ao mesmo tempo que essa aproximação é incentivada, ela revela também um caráter de ironia daquele ser que Aschenbach se torna com o desenvolver do filme. Em determinado momento o músico expõe em palavras uma força interior que ele já não mais era capaz de guardar, mas sua figura só é capaz de causar um tristeza absoluta. Acompanhamos Aschenbach e entendemos seu possível estado interior por meio da música extraordinária que permeia todo o filme (poucas falas, longos silêncios), mas seu declínio é dificultado pela estruturação extraordinariamente complexa do filme. Visconti relativiza o tempo e o espaço e muitas vezes é difícil manter a convicção que antes havíamos sustentado, diante de alguma constatação. Até mesmo a paixão por Tadzio é algo inteiramente ambíguo, dentro da tênue limite entre a obsessão pela perfeição e a impossibilidade do alcance. Seguimos um caminho terrível com Aschenbach, sem nenhuma concessão possível; tudo é a desgraça da destruição. A cólera que invade decompõe com muito mais fervor o homem que ama do que corpos menos vorazes pela plenitude. Assim, a impossibilidade da última visão de Tadzio é, sem dúvida alguma, a cena mais bonita do cinema e numa proporção equivalente, uma das mais tristes também.

Morte em Veneza é o filme maior de um gênio, um filme absoluto sobre o amor e o filme definitivo sobre a beleza. Ainda que terrivelmente cruel.

4/4

Thiago Macêdo Correia

ou: Morte em Veneza (Luchino Visconti, 1971) – Cassius Abreu – 4/4

7 Comments

Filed under Resenhas

7 Responses to Morte em Veneza (Luchino Visconti, 1971)

  1. Caio Lucas Martins Matos

    Esse é um filme que não consigo engolir como “um dos melhores de todos os tempos”. Admito que é muito bom mais…

    Você pode ver da forma que descreveu e ver simplemente que esse “surrealismo sexual” foi à quem de suas pretensões.

    É como dizer que “Sonhos” de Kwrosawa é “um filme absoluto sobre a ilusão e o filme definitivo sobre a beleza”, que eu não entendo nunca porque é dado tal significado (ou sentido).

    Deu pra entender?

  2. Caio Lucas Martins Matos

    Hehe.
    O diretor quis dizer muito, sem dizer nada.

  3. Feldman

    Visconti: cineasta italiano, um dos pais do neo-realismo, fã de Thomas Mann e… O MAIOR ESTETA QUE JÁ PISOU NA TERRA!

    Taí. Gostei da definição. Sério.

  4. Luis Henrique Boaventura

    “O diretor quis dizer muito, sem dizer nada.” – Caio

    A mim é exatamente o contrário: Visconti – e Bogarde – dizem tudo sem dizer nada.

    Do que exatamente você fala com o “não dizer nada”. Texto, ou ineficiência da direção do Visconti?

  5. jardel

    filme genial que se baseia no livro de thomas mann, retratando a crise da identidade européia diante da desiluzão com a idéia de tradição platônica, do belo como verdadeiro, refletindo sobre os rumos que esta tradição deu à cultura européia e sua provavel decadência. obra prima de delicadeza e da sensibilidade artistica, tanto mann ocmo visconti.
    os personagens são alegóricos e retratam no jovem a cultura grega, belo ideal, espiritual e no professor os designos das paixões sensuais. esse confronto de forças é que move estas obras primas da arte.

  6. joe

    Decepcionante e lamentável.